.
.
.
.
.
NAS POSTAGENS A SEGUIR, EXPERIÊNCIAS DE VIAGENS, DICAS DE LUGARES INTERESSANTES, NOSSAS PESQUISAS E OBJETOS

terça-feira, 7 de julho de 2009

Budas e Estupas de ouro em Burma.



Na antiga Birmânia, Burma ou Myanmar , há séculos o ouro é relacionado ao Budismo. Talvez representando pureza e iluminação, ele é usado no revestimento das estupas ( cúpulas dos templos que abrigam Budas ou relíquias em seu interior) e Budas.


Desprendida e delicadamente, birmaneses revestem com minúsculas folhinhas de ouro essas Estupas e Budas, em camadas que se acumulam ao longo dos séculos. Na região de Bagan (mapa), numa planície verde e de luminosidade irreal, centenas de templos construídos com tijolos perfeitos entre os anos 1100 e 1300 DC despontam com suas estupas douradas.







Dentro deles, quase que não cabendo, imensos Budas reluzem em ouro, refletindo a luz natural que entra por pequenas aberturas e portais.










E em Kyaikhtiyo (mapa), no topo de uma cadeia de montanhas de acesso dificílimo, uma pedra imensa pendendo sobre o abismo é revestida com folhinhas de ouro pelos peregrinos há muitos séculos.










Olhando por baixo, essa pedra está em balanço sobre o abismo, resistindo aos terremotos e vendavais. Diz a lenda que o que a mantém ali é um fio de cabelo de Buda, conservado dentro da pequena estupa no topo da rocha.






A doação e desprendimento do uso do ouro em Burma está presente até nesta oferenda de um côco encontrado num templo, revestido também com folhinhas douradas.






* Mais imagens dessa viagem a Burma no nosso Flickr .


Com saudades de Burma, o Estudio Manus criou com folhinhas de ouro uma parede no restaurante Boa, nos Jardins/ SP (mapa), da chefe Tatiana Szeles. Uma parede assim revestida com ouro pode ser reproduzida também numa casa, criando uma luz quente, aconchegante e contrastante para um ambiente especial, como um lavabo, hall de entrada ou sala de jantar.







Parece contraditório relacionar ouro com a Birmânia ou Burma (ou Myanmar, conforme denominado pela junta militar desde 1989). Apoiamos firmemente que o país se livre da junta militar que o governa há décadas, e que Aung San Suu Kyi, nobel da Paz em 1991 e presa há 12 anos seja libertada e cumpra sua missão pacificadora.

Esse povo não merece sofrer com essa repressão, injustiça, pobreza e tufões. Mas ao conhecê-los um pouquinho, ver a delicadeza com que aplicam ouro em seus Budas e Estupas, escutá-los cantando e assobiando pelas ruas, acho que a maneira que temos para homenageá-los é mostrar esse lado belo e radiante que cultuam. O sorriso dessas duas meninas birmanesas abaixo resumem um pouco a emoção e surpresa que tivemos ao conhecer um pouco desse povo.








Viajar pelo país de forma independente não é simples. As estradas estão destruídas, gasolina só no mercado paralelo, poucas informações. O governo procura monopolizar o turismo e disponibiliza opções caras e limitadas para se conhecer o país de forma "oficial". Mesmo o câmbio de moedas oficial é complicado e com taxas absurdas.

Aconselhamos que uma viagem independente seja auxiliada com um guia local, combinando com antecedência pela internet. Ele poderá ajudar com o transporte, reservas de vôos locais, câmbio justo de dólares em moeda local (cartões de crédito e Euros não são boa opção). No nosso caso, contamos com a preciosa ajuda de Hla Shwe, ou Tony (imagem abaixo), que mora na capital Yangoon (ou Rangoon), e que pode ser contatado nos fóruns de viagens sobre Myanmar nos sites "Tripadvisor" ou "Lonely Planet", ou diretamente pelo seu email tonyhlashwe@gmail.com .





Para chegar ao país, a melhor maneira é partindo de Bangkok, pela companhia malasiana AirAsia, que tem ótimas tarifas e o bilhete pode ser comprado online. Para vôos internos, uma delas é a Yangon Air, que tem o inacreditável e divertido logotipo de um elefante voador...







Nenhum comentário :

ESTUDIO MANUS on Facebook

ENDEREÇO ESTUDIO MANUS, CLIQUE ABAIXO PARA SABER COMO CHEGAR